quinta-feira, 8 de junho de 2017

Eu sempre amei você enquanto ninguém mais nesse mundo te amaria antes de mim...


Ontem, no caminho de volta para a casa, pensei que a nossa vida se tornou um romance ruim, sabe? Daqueles que as pessoas se gostam, mas que por algum motivo (que nunca será passível de compreensão) não podem ficar juntas. Simplesmente não há possibilidades, pois acabaram fazendo coisas imperdoáveis uns aos outros. Mas sei lá, ainda acho que ninguém mais nesse mundo te amaria antes de mim. Eu nunca na vida imaginaria um romance mais triste que esse, pois quando alguém morre em um romance, não há mais o que possa ser feito e as pessoas renunciam àquele amor. Elas se sentem reconfortadas, pois aprendem que não há o que ser feito. Bem simples. Aprendem a não aprender. Mas quando as pessoas continuam vivas, é como se acontecesse uma morte estranha, uma morte não-natural, a gente tem que matar a pessoa, mas ela ainda existe, é a coisa mais estranha que alguém tem que fazer na vida: matar quem continuará vivo.

0 Comentários:

Postar um comentário

« »